Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

terça-feira, 21 de agosto de 2012

IGNORÂNCIA ARROGANTE

Ao pensar no título desta coluna estava me perguntando se não é ele um pleonasmo, isto porque, na minha experiência, quase sempre o ignorante é presunçoso e acha que o que sabe é a mais pura verdade.
Tive mais uma experiência destas esta semana. Uma senhora queria saber como era a Igreja da Irmandade, porque ela nunca tinha ouvido falar desta denominação. Ela introduziu o assu
nto da seguinte maneira:
- O senhor é pastor de qual Igreja?
- Igreja da Irmandade?
- Nunca ouvi falar. Ela é uma igreja normal? Ela é uma igreja “pentencostal”?
- Ela é uma igreja cristã.
- Mas ela é “pentencostal”?
- Não, ela não é pentecostal (falei acentuando para ver se ela percebia que pronunciava errado).
- Então ela não é uma igreja verdadeira porque não é “pentencostal” (ela insistia em dizer errado). A igreja verdadeira tem que ser “pentencostal”. Se não for verdadeira e “pentencostal” não é igreja, é do demônio.
- O que a senhora entende ser pentecostal? Qual a característica de uma igreja pentecostal?
- Uma igreja “pentencostal” é uma igreja avivada, que bate palmas quando canta, que ora com fervor, com fé, que cura, que profetiza, uma igreja que não é geladeira.
- Isto para a senhora é ser pentecostal? E se eu disser que em um terreiro de umbanda eles cantam, batem palmas quando cantam, fazem orações em voz alta, curam e dizem o que vai acontecer com a pessoa, isto significa que são pentecostais?
- De jeito nenhum!
- Então as características do ser pentecostal não podem ser as que a senhora me mencionou. Há alguma outra que a senhora queira adicionar? Eu esperava que ela fosse falar do batismo do Espírito Santo como segunda benção. Que nada!
- Uma igreja “pentencostal” tem que ter o Espírito Santo.
- Como a senhora sabe que a sua igreja tem o Espírito Santo e que a minha não o tem, mas que é do demônio?
Ela parou, pensou, viu que havia se enroscado e esbravejou:
- O senhor está me enrolando! O senhor tá querendo fazer eu me desviar da fé. Pare de me perguntar e acredite no que estou dizendo porque o que estou dizendo tá na Bíblia do jeitinho que tô falando pro senhor. E se o senhor não aceitar o que tô dizendo, que é o que está na Bíblia, o senhor vai queimar no fogo do inferno!

Não é primeira vez que sou excomungado por fazer perguntas que as pessoas não sabem responder. O que mais me intriga é que quando faço perguntas que a pessoa não tem respostas, o culpado sou eu. Eles me chamam de herege, de apóstata, mas nunca dizem: sou ignorante.
Assim, para muitos, sou herege, não porque o seja, mas porque eles não sabem dar respostas às minhas perguntas. Mais: se uma pergunta pode derrubar a fé de alguém, que fé mais mequetrefe é esta.
Marcos Inhauser

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O TROPEÇO DAS ESTRELAS


Em Atenas, 2004 foram cinco de ouro. Em Pequim, 2008 foram três de ouro. Para 2012 em Londres o midiático Carlos Arthur Nuzman prometeu oito de ouro e só vieram três. Houve um trabalho de marketing muito forte em cima de algumas figuras que se esperava trariam ouro: seleções brasileiras de futebol masculino e feminino, seleções masculinas de basquete e de vôlei, equipe de ginástica olímpica, judô, salto com vara e salto triplo feminino, maratona. Exceção feita à seleção feminina de vôlei que arrancou a medalha com o pé na cova, toas demais esperanças frustraram.
A começar pelo time feminino de futebol, eliminado precocemente, com atuação pífia. A masculina foi se aguentando frente a adversários fracos, mas na hora agá, quando enfrentou uma seleção mais forte, deu no que deu. A Fabiana Murer foi derrubada pelo vento e a Maurren Maggi amarelou. Na maratona o primeiro brasileiro classificado ficou em quinto lugar. A seleção feminina de basquete só ganhou da Grã-Bretanha. Os irmãos Hipólito e a Daiane permitiram que pela primeira vez desde 2002 a Brasil não estivesse nas finais da modalidade.
O Neymar foi medíocre se comparado com outros jogos e atuações. Hulk, Marcelo, Alexandro, Rômulo, idem. Salvaram-se o Oscar e o Damião. O Doda, nem se ouviu falar, o Fernando Pessoas idem. O Cielo afundou.
As estrelas tropeçaram.
Quem se salvou? Gente desconhecida e sem as luzes da mídia global. Os irmãos Falcão, Sarah Menezes, Arthur Zanetti, Felipe Kitadai, Mayra Aguiar, Adriana Araújo, Juliana Silva e Larissa França, Yane Marques. Gente que foi sem brilho, sem holofote, mas que voltaram com o brilho de suas performances e medalhas.
Os medalhões voltaram de peito vazio.
No caso específico do futebol masculino, fica a interrogação: como um time que tem alguns dos melhores jogadores do mundo em suas posições, pode ser tão bisonho em uma final de Olimpíada? Como se mantém um treinador que, depois de tanto tempo, ainda não conseguiu dar unidade ao time?
A Dilma disse que quer mais medalhas em 2016 no Rio. Querer é uma coisa. O Nuzman também quis e prometeu. Mas onde está a política nacional de desenvolvimento de novos atletas? Ou, tal como se age nas obras para a Copa e Olimpíada, acredita-se que na hora agá tudo vai dar certo. Será que a Dilma acha que se faz um atleta de uma hora para outra? Como a nação sede da Olimpíada tem o compromisso de ter participantes em todas as modalidades esportivas, tenho para comigo que teremos muito mais motivos para nos envergonhar em 2016.
Disto fica uma lição: a humildade é fundamental quando se pensa em competir. E quem entrou de salto alto, saiu de cabeça baixa.
Marcos Inhauser

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

ADORÁVEIS POLÍTICOS


O desenrolar do julgamento do Mensalão está dando uma lição de como são e agem os políticos. Vamos por partes.
A primeira coisa que me chama a atenção é o fato de que “homem simples” (qualificação dada ao Delúbio) consegue pagar advogados que trabalham a peso de ouro, alguns dos mais caros do país. De onde sai a grana? Ou já saiu antes com o advento do valerioduto?
A segunda coisa é que nenhum deles se faz presente no plenário, como se a coisa não lhes afetasse.
A terceira é que os advogados, sem exceção, apresentam os réus como dignos de beatificação. O Zé Dirceu trabalhava tanto que não teria tempo para estas pequenezes. O Genoíno era um hábil articulador político e péssimo administrador financeiro. O Delúbio um exemplar cumpridor de ordens. O Marcos Valério um facilitador de tomadas de empréstimos perfeitamente legais junto a bancos. Os bancos fizeram o seu papel de emprestar o dinheiro e estão tentando receber o que emprestaram, tudo na mais perfeita legalidade e obediência aos preceitos legais do Banco Central. Todos eles ofereceram provas e foram inocentados nas auditorias e nas alegações contraditórias. O Ministério Público é um câncer na estrutura brasileira. Anda investigando demais e achando coisas. Ele tem a capacidade de achar pelos em ovos. O Procurador Geral é incoerente, junta documentos que lhe interessam e desconsidera outros que negam o que afirma. A Polícia Federal deveria estar investigando traficantes e não gastando tempo em dinheiro com gente de tão fina estirpe como os políticos brasileiros. Só deve valer nestes julgamentos documento de confissão assinado em cartório, com firma reconhecida e pelos menos 10 testemunhas.
Os réus, por sua vez, se praticaram alguma ilegalidade, foi no campo eleitoral, crime de menor importância e tão comum no universo brasileiro que nem vale a pena gastar este tempo todo para julgar. O melhor é não dar em nada. Ou melhor, o melhor é que saiam do STF com um atestado de pureza moral.
De minha parte espero que estes políticos e outros não réus do mensalão, mas tão envolvidos em falcatruas com o dinheiro público, seja na retenção de vales-refeição, na farra do pedágio, na indicação de parentes para trabalharem como assessores ou na Sanasa, desaparecem da vida pública brasileira. Alguns estão sendo impedidos de concorrer às próximas eleições (em Campinas vários já foram defenestrados e o mesmo ocorre em outros municípios). Alguns dos que hoje estão sendo julgados pelo STF ou pelos TREs já não contam com o prestígio de antes. No Genoíno de antes e o de agora há uma distância abissal. O Zé Dirceu perdeu muito do seu espaço. O Delúbio está sendo processado criminalmente. E assim por diante!
A opinião pública está atenta e acompanhando o que acontece. Se não todos os brasileiros, mas uma expressiva parcela. E nisto estamos dando nossa contribuição para que a pizzaria de Brasília vá à falência.
Marcos Inhauser