Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

AMOR MAIOR

O evangelho de João traz uma palavra de Jesus que diz: “O meu mandamento é este: amem uns aos outros como eu amo vocês. Ninguém tem mais amor pelos seus amigos do que aquele que dá a sua vida por eles”.
Diante da tragédia de Santa Maria e dos inúmeros comentários e análises já feitos, pouco ou nada a mais tenho a acrescentar, reafirmando, no entanto, que não há efeito (tragédia) produzido por uma única causa. As muitas causas já foram levantadas (projeto inadequado, superlotação, material inflamável, falta de saídas de emergência, imprudência da banda, extintores que não funcionaram, etc.).
No que pese toda a tristeza que o fato gerou, há uma coisa que merece ser destacada como positiva: as várias pessoas que, mesmo tendo conseguido sair da boate, para lá voltaram para resgatar a outras pessoas e várias delas acabaram morrendo. Deram suas vidas por amor ao próximo. Há os que foram em busca de amigos e namoradas, há os que se atiraram para salvar quem pudesse, há os que não saíram, mas ajudaram outros a sair.
O caso do soldado que salvou quatorze pessoas e não conseguiu se salvar, o caso de um dos que, à marretadas, abriu buracos na parede e inalou os gases e acabou internado em estado grave, são dignos de nota e elogios.
Se é verdade que houve quem visasse só o lucro, permitiu a multidão que superlotou a casa e não permitiu a saída imediata do pessoal porque deviam mostrar a comanda paga, é verdade muito mais evidente que houve quem se sacrificasse para salvar vidas.
Outro aspecto altamente positivo foi a solidariedade mostrada, quando centenas, talvez milhares de pessoas se dispuseram, dentro das suas forças e habilidades, a ajudar no que podiam e era preciso. É o caso do pedreiro que se voluntariou a fechar os túmulos porque não havia gente suficiente para todos os caixões que deveriam ser sepultados. Gente que fez o café para quem estava no velório, gente que abraçou, acolheu, chorou junto com os que haviam perdido familiares e amigos. Gente abanando feridos e asfixiados em plena rua, gente carregando a outros, gente que ajudou pessoas caídas a se levantar para que não fossem pisoteados, como é o caso do músico da banda. Quem o ajudou não olhou se era ele o culpado ou não.
Em um país marcado pela corrupção, impunidade e mau caráter (como os casos candidatos à Câmara e Senado, enrolados até o pescoço em denúncias várias), onde mensaleiros julgados pela opinião pública e STF reafirmam suas inocências, o exemplo deixado pelos atos de heroísmo em Santa Maria, devem nos orgulhar e enaltecer os valores do amor, mesmo que seja ele sacrificial.
Eles mostraram que o que Jesus ensinou pode ser verdade não só na vida do Mestre, mas também na vida de seus discípulos.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

DEUS POLICIAL?

No princípio acreditava em um Deus policial, que estava todo o tempo a me vigiar, atento a cada deslize que cometesse, a cada pecado que praticasse. Era um vigilante eterno, que não dormia nunca. Naquele tempo não havia câmeras nem radares a fotografar cada erro cometido e a mandar multas para casa, mas Ele era implacável: castigava de forma dura cada pecado.
Acreditava que Deus me punia cada vez que tropeçava. Se não fosse assim, por que Ele ficava me vigiando e me espreitando? Tinha a sensação de que, quando me "pegava com a mão na botija", Ele me gritava: "te peguei!". Tinha um sorriso de satisfação nos lábios, por ter-me flagrado.
Esta visão de Deus me levou a pensar que Ele tinha prazer em castigar seus filhos. Neste tempo eu usava versos bíblicos que falam da disciplina de Deus, do sofrimento, da privação, da provação. A vida espiritual era para mim o exercício do autocontrole para não tropeçar e para agüentar as conseqüências de haver tropeçado.
Cria neste Deus e ensinava isto a outros. Fazia ver e entender que a vontade de Deus é que sejamos santos, irrepreensíveis e que Ele, para nos levar a esta perfeição, nos castiga quando erramos para nos fazer sentir que o preço do pecado é maior que o preço da obediência.
Ensinava que a pessoa deve orar e ler a Bíblia todos os dias, dizimar, envolver-se nos trabalhos da igreja, que dura coisa é cair nas mãos do Deus vivo. A vida só teria significado quando a pessoa cumprisse com os requisitos da vontade de Deus. Quanto mais orasse, lesse a Bíblia, trabalhasse na igreja, mais satisfeito e feliz seria. Acreditava que devia acordar de madrugada para orar ou passar noites em vigília, porque Deus veria meu esforço e me recompensaria. Havia em mim a ideia de que poderia comprar os favores de Deus, "alcançar a graça" mediante minha dedicação e sofrimentos autoimpostos. Já que Ele se agradava em me vigiar e punir, talvez Ele também se agradasse em me ver autoflagelando.
Mas este tipo de espiritualidade era como um vício. Quando praticava tais atos, me sentia bem, mas depois de um tempo, sentia que faltava algo, que havia um vazio lá no fundo, um medo constante de não estar agradando a Deus. Lá ia eu a tomar outra dose de dedicação, oração, leitura bíblica, oferta na igreja, assistia a tantos cultos quanto possível. E isto não assegurava que não entraria de novo no "down", em uma espécie de ressaca espiritual.
Em um processo lento, gradual, dolorido porque destruía antigas convicções, fui percebendo que Deus não é policial, mas Pai/Mãe bondoso, um Deus da graça. Ele faz o que faz independentemente das circunstâncias, do que faço ou deixo de fazer. Ele não é mais Deus ou menos Deus em função da quantidade de horas que oro, da quantidade de textos bíblicos que leio ou sei de memória, do meu dízimo. Ele me abençoa porque é da Sua essência de um Deus de amor. Ele me amou quando eu era ainda um desgraçado pecador. Não foi, não é e nunca será por mérito. Ele é graça pura, ação incondicional, amor, dádiva sem que haja nada que o obrigue a isto, nem mesmo a minha consagração. Ele me ama como sou, graças a Deus!!!!!!!
Marcos Inhauser

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

HIPERETOLOGIA


Aprendi esta palavra no seminário e nunca mais a vi, nem ouvi. Já busquei em dicionários e nada. Já estava achando que me ensinaram ou que aprendi errado.
Quando já estava desistindo, encontrei um artigo que trata da doutrina da vocação (eu sabia que se tratava desta doutrina). É um artigo de George Emanuel que cita Washington P. Emrich, onde ele diz, entre outras coisas, que a palavra vem “do verbo grego “uperetês” que quer dizer servir, fazer serviço pesado, remar, trabalhar e o substantivo que significa servo, assistente, oficial subalterno. Vem também do verbo hebraico “kara” que significa chamar alguém de maneira efetiva. Em Isaias 42:6 e Is. 48:12. O vocábulo correspondente na língua grega é kalein, kaleu, que significa chamar, convocar, convidar. O substantivo que surge é klesis que quer dizer chamado, vocação, convocação.  Os dois verbos juntos ligam dois conceitos, a saber: chamado e serviço.  Não é um chamado e um serviço qualquer. É o chamado de Deus para uma vida de reconciliação com Ele e de glorificação ao Seu nome por meio do serviço prestado ao próximo. Em outras palavras: vocação é chamada de Deus ao homem para que ele se torne parte do corpo de Cristo, que é a Igreja e, em segundo lugar, para que O sirva em todas as suas relações com o próximo.” (http://www.sentidounico.com.br/v4/files/files/64/Hiperetologia.pdf ).
Fui buscar a tal palavra porque recebi um artigo que fala do mercado de pastores que se estabeleceu entre as “emprejas” (igrejas que são verdadeiras empresas) Universal do Reino de Deus Renascer, Mundial do Poder de Deus e Internacional da Graça de Deus e Assembleia de Deus Vitória em Cristo.
Resumo aqui algumas coisas do artigo: “A disputa por gente qualificada provoca atualmente uma guerra. Valdemiro Santiago, da Mundial do Poder de Deus .. tira gente dos quadros da Universal e da Internacional da Graça de Deus. Ele oferece plano de saúde, aluguel da casa e salários maiores ... O teto salarial da Mundial é de R$ 15.000. Em alguns casos, ... aumenta a remuneração fixa, concedendo de 8% a 10% da arrecadação das ofertas ao pastor. A Renascer, de Estevam e Sonia Hernandes, paga entre R$ 1.500 e R$15.000 aos membros mais graduados. Para fazer parte da ... comunidade, é preciso passar por um processo seletivo. Profissional bom, com o dom da palavra e comprometimento com o ministério, precisa ser valorizado”, defende Malafaia, o único entre os grandes líderes a expor a receita de sua igreja: segundo ele, R$ 40 milhões em 2012.” 
Segundo Malafaia, “meus discípulos ganham entre R$ 4.000 e R$ 22.000. Também banco casa e escola para os filhos”. Mais recentemente, Malafaia estabeleceu que, caso alguém de sua equipe seja aceito em qualquer curso da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, ele financiaria integralmente os estudos.
Talvez a palavra hiperetologia esteja em desuso porque a doutrina da vocação se perdeu há muito. Ser pastor, “bispo” ou “apóstolo” é uma questão de mercado e não mais de vocação, de chamado, de experiência íntima com Deus que se manifesta no atendimento do rebanho, reconhecido por este como sendo vocacionado. Não é uma questão de salário, mas de consagração.
Ainda bem que ainda existem os verdadeiros vocacionados, que ministram ao rebanho por amor, com suor e lágrimas, gente que se vê recompensada pelo brilho nos olhos das pessoas cuidadas e pastoreadas.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

TUDO É GRAÇA!

Há teologias e teologias.
Há quem a chame de doutrina, outros de regras.
Há quem entende de teologia e há quem pensa que entende.
A verdade é que, por pertencer a um campo de domínio geral (a religião), há muitos que se consideram teólogos, na mesma proporção em que há os que se julgam técnicos de futebol. Talvez se pudesse aplicar o ditado: “de teólogo e louco, todos temos um pouco”, ainda que, na minha experiência, tenho visto mais loucuras que teologias.
No campo da teologia, há dois grandes grupos: os teólogos conservadores que só fazem repetir o que alguns iluminados do passado disseram, acreditando que depois deles nada de novo se produziu e o que eles falaram é a nata da verdade. Tenho um amigo que foi fazer um curso de Mestrado e se matriculou em um curso de Teologia Contemporânea. O professor, PhT, começou a descrever o desenvolvimento teológico desde a patrística, chegou a Calvino e encerrou o curso. O meu amigo, indignado porque foi para um curso de teologia contemporânea, questionou o professor e este se saiu com esta pérola: “o último teólogo foi Calvino. Depois dele, só lixo”.
O outro grupo é dos que trazem “novidades”. Este se divide em dois: os que inventam novidades, sem embasamento e coerência (dente de ouro, cuspe santo, unção de Abraão, prosperidade, doença como castigo de Deus, maldição de família, G12, castigo hereditário, adoração ousada, etc.). O segundo subgrupo é dos que ousam fazer perguntas às formulações clássicas e reconhecidas e buscam novas compreensões para a fé. Neste contexto se pode mencionar a Teologia da Libertação, as Novas Cristologias, a Teologia Relacional, Teologia Feminina, Teologia Negra, Igreja Emergente, Ortodoxia Generosa, Teísmo Aberto, Teologia Quântica, etc.
Há outra forma de ver. Há duas grandes correntes de teologia: a da justiça retributiva e a da graça. A primeira tem uma multidão de seguidores. Acho que não exagero se digo que mais de 99% a seguem. A característica desta é que é sinergista: Deus faz a parte dEle e o ser humano tem que fazer a sua. Ouvi no final do ano um pregador se estender por 40 minutos pregando sobre o texto “pela graça sois salvos e isto não vem de vós, é dom de Deus” e ele enfatizava que a pessoa precisava acreditar, crer e aceitar. Era a incoerência absoluta e a negação do que o texto afirmava.
A outra afirma a graça de Deus, o favor imerecido. Não é o pagamento de algo que se faz ou se deixa de fazer, não é o agir de Deus constrangido por alguma circunstância, não é resposta à oração. É o agir motivado somente pelo amor de Deus. A primeira vê as dificuldades, os obstáculos, os períodos de trevas como sinais do castigo de Deus, em função de pecados conhecidos ou ocultos. A segunda vê em tudo a graça de Deus. No dizer de um cântico: “indo e vindo, trevas ou luz, tudo é graça, Deus me conduz”. Ainda que seja no vale da sombra da morte, a presença dEle se faz sentida e a graça se manifesta.
Não há poço que a graça não alcance, não há escuridão que a graça não ilumine, não há pecador que a graça não perdoe. Em Deus, tudo é graça!
Marcos Inhauser