Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 22 de abril de 2015

“AS PROSTITUTAS VOS PRECEDERÃO”

Confesso que sempre tive problemas com a frase proferida por Jesus, registrada em Mateus 21:31 “Jesus disse-lhes: Em verdade vos digo: os publicanos e as meretrizes vos precedem no Reino de Deus!” A minha incompreensão durou até o dia que me contaram a seguinte história, vivida indiretamente por quem a contou.
Houve uma chamada de emergência no Serviço de Água e Esgoto, dando conta de um vazamento de esgoto que transbordava e estava rolando abaixo na via pública. O problema estava na Zona de Meretrício da cidade. O encarregado escalou uma equipe para ir ao local e o motorista que deveria leva-los. O motorista escalado era membro de uma igreja “pentencostal”, que vivia pregando a todo o mundo no trabalho e cheio das certezas morais. Quando soube que deveria ir à Zona do Meretrício, enfureceu-se, dizendo que não iria para o inferno, que aquele lugar era de perdição e que ele se recusava a ir. O chefe o enquadrou e determinou que fosse.
Na viagem de 20 minutos foi resmungando, murmurando e reafirmando sua santidade. Os demais estavam fazendo brincadeiras sobre o fato e com ele. Lá chegando, desceram as ferramentas e iniciaram o trabalho, sob os olhares curiosos das meninas e da tia que tinha a casa em frente à qual aconteceu o rompimento. O motorista continuava a resmungar e murmurar, ao ponto dos colegas pedirem que ele fosse embora e que, quando terminassem o trabalho, o chamariam para vir pegá-los. Ele preferiu ficar, pregando sua “santidade”.
Uns quinze minutos depois de iniciado o trabalho, já suados com o esforço da picareta, uma das meninas trouxe uma jarra de suco gelado e um copo para cada um dos trabalhadores, inclusive o motorista, que recusou a bebida para não se contaminar.
Trabalharam a manhã toda. Almoçaram a marmita que levaram, mais o suco que novamente lhes ofereceram. O motorista “santo” continuava a praguejar.
Lá pelo meio da tarde terminaram o trabalho. Para surpresa deles, a senhora dona da casa convidou-os para entrar, se lavar e um lanche que ela e as meninas haviam preparado estava sobre a mesa. Ao entrarem, viram um banquete, todas meninas com lenço na cabeça e avental por questão de higiene.
Aqueles homens que haviam trabalhado no esgoto, entrado nele, se lambuzado com ele, estavam agora sendo recepcionados por quem se preocupou com a higiene no preparo da comida. O “santo” não entrou porque não queria se contaminar.
Quem amou o próximo? O motorista “crente, santo e pentencostal” ou as meninas e a dona da casa delas?
Confesso que me emocionei quando ouvi a história por parte de quem trabalha no serviço de águia e esgoto e me emociono agora ao escrever sobre ela. Houve graça da parte delas e justiça empedernida e arrogante por parte do motorista.
Com uma história como essa entendo porque Jesus disse que elas precederão os “fariseus, santos, incontaminados e arrogantes”.

Marcos Inhauser

quinta-feira, 16 de abril de 2015

A ANTIMIDAS

Midas, rei da Frígia, teve sua realeza herdada do pai, escolhido pelo povo que o via como o cumprimento de um oráculo. Certa feita, Midas recebeu a visita de alguns camponeses que levaram a ele um velho, bêbado e perdido, que haviam encontrado pelos caminhos do reino. Midas o reconheceu: era Sileno, mestre e pai de criação do deus Baco. Midas cuidou de Sileno e o levou a Baco, deus do vinho, que concedeu um pedido a Midas. Este, sem refletir muito, pediu o dom de transformar em ouro tudo o que por ele fosse tocado. Mesmo percebendo a ânsia gananciosa de Midas, Baco realizou o pedido.
Midas voltou feliz e surpreso com a capacidade que passou a ter. Transformou em ouro várias coisas: pedras, folhagens, frutos... Quando em casa, ordenou que lhe servissem um banquete. Ao tocar o pão, este transformou-se em ouro. Tudo o que tocava virava ouro. Desesperou-se porque jamais poderia se alimentar, pois tudo virava ouro.
A expressão “toque de Midas” se cunhou para designar as pessoas que tem a capacidade de transformar em riquezas e prosperidade tudo o que tocam.
O Brasil tem uma rainha que é a AntiMidas. Tudo o que ela toca vira pó. Na década de 90 abriu uma lojinha de R$ 1,99. Não aguentou o tranco do mundo real e depois de 17 meses, quebou. Mais tarde, ela veio com esta maravilhosa e abrangente explicação para o seu desastre: “Quando o dólar está 1 por 1 e passa para 2 ou 3 por 1, ele [o microempresário] quebra. É isso que acontece com o microempresário, ele fecha. A minha experiência é essa e de muitos microempresários desse país”. Bom saber, porque o dólar subiu e ela transformou em pó as economias de muita gente.
Veio a Brasília como expert no setor energético, uma vez que, sendo do PDT, “ganhou um cargo” do então governador Colares, que também era do PDT. Nada de importante ela fez. Foi a Brasília convidada pelo Lula. Assumiu o Ministério das Minas e Energia e fez um estrago. Na sua gestão não se investiu na geração e nem na transmissão. Mal tocou o que havia.
Foi para a Casa Civil em meio ao mensalão, na esperança de que ajudasse a blindar a “cumpanherada” enrolada até o pescoço. Nada aconteceu e todos foram condenados e presos.
Ganhou a presidência do Conselho da Petrobrás. Desde que assumiu o mandato, no dia 1 de janeiro de 2011, o valor das ações da Petrobras despenca. A Petrobras deixou a 12ª posição no ranking das maiores empresas do mundo em valor de mercado, lugar que ocupava em 2010. No ranking de março deste ano do britânico Financial Times, a estatal perdeu 108 posições, sendo agora a 120ª maior empresa do mundo.
Ela forçou a aqueda do preço da energia elétrica. Deu no que deu: aumentos de até 60% para corrigir o desastre provocado pela intervenção dela.
Obrigou os bancos a baixarem os juros. Pagamos hoje as maiores taxas de juros do mundo. Juros bancários de fazer agiota ter inveja.
Pegou a popularidade inicial e mandou às cinzas: 68% de rejeição. Ganhou um segundo mandato só Deus sabe como e passados cem dias, o que se tem é uma sucessão de desastres. Teve que fazer uma renúncia branca e entregar o governo para o Temer.
O Brasil precisa de um Midas e não de um buraco negro onde tudo o que cai nele vira nada, uma AntiMidas!
 Marcos Inhauser



quarta-feira, 8 de abril de 2015

A AÇÃO SUBSTITUÍDA PELO CONCEITO

Nada pode ser tão fatal para a vida humana que alguém trocar a ação por conceitos, a realidade por ideias. Deve-se temer quem crê que pode, somente falando e teorizando criar categorias e mudar sociedades. Os grandes teóricos foram péssimos nas suas ações de implementação.
A vida humana é um relacionar-se em sociedade que deve dar-se na dimensão dos valores pessoais que alicerçam o agir, mas um agir respeitoso e tolerante para com as diferenças de prática e concepção. Ao negar a primazia dos conceitos sobre a práxis, não estou advogando o simplismo, o reducionismo, o ativismo, mas, antes, a práxis alicerçada no entendimento possível para cada pessoa, segundo suas capacidades e habilidades. Nego sim a arrogância cognitiva que, abdicando da prática, se arvora em palavra última e verdade absoluta. Nego as concepções gestadas em ambiente climatizado de ar-condicionado.
O conhecimento só é válido quando ele tem o objetivo de beneficiar o próximo, a sociedade. O arrogante é egóico. Pensa em si, acha que só ele sabe e sua preocupação é promover-se. O saber autêntico não se encerra em uma masmorra de proteção, antes deve ser fermento de esperança e promotor de mudanças visando melhorias sociais e relacionais. Busca a verdade e a justiça, sem se alienar do amor.
Lembro-me dos tempos de Mestrado em Educação quando professores se acusavam de ortodoxos e revisionistas (marxistas versus gramscianos), sem que nenhum deles tivesse uma vivência no mundo fora da Universidade. Cansei de participar de reuniões internacionais onde o que mais se fazia eram diagnósticos. Eram especialistas em RX, desvendando minucias de uma fratura, mas que nunca tinham colocado um gesso ou uma tala em um braço ou perna. Isto me faz lembrar o Dadá Maravilha: “eles trazem a problemática, eu venho com a solucionática.”
Trago estas reflexões porque acho que se faz, uma vez mais, um crime contra a educação neste país. Ainda que o lema da represidente seja Pátria Educadora, ela entregou a pasta inicialmente a um conhecido verborrágico, de tradição familiar, que de educador tinha nada e nem educado era. Deu no que deu.
Para substituí-lo ela entrega o cargo a um filósofo. Andei lendo coisas do Janine, coisas sobre o Janine e o vejo como mais um teórico que terá que assumir algo que ele só conhece nas radiografias que faz. Nisto ele empata com o Mangabeira Unger, o “ministrus absconditus” porque sumido está. Duvido que ele faça algo, ainda que, do fundo da minha razão quero que ele consiga fazer algo.
O que mais me preocupa nele é sua guinada conceitual. Escreveu ele que: “"A cultura é a educação fora de ordem, livre e bagunçada. Para cursos, há currículos. Para a cultura, não. Cada vez mais, a educação deverá se culturalizar: um, deixando de seguir currículos rígidos; dois, tornando-se prazerosa; três, criativa. O próprio caráter imprevisível da ação cultural e a dificuldade de planejá-la fazem dela um dos modelos para o que deve ser a educação numa sociedade criativa."

Se entendi, ele propõe uma educação “fora de ordem, livre e bagunçada”. Se fizer isto, será a cereja no bolo da zona que se instalou no país. Era o que faltava: um acadêmico propondo a bagunça. Espero que não saiba fazer isto, como soe acontecer com os acadêmicos.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

COMODISMO E IMATURIDADE

É mais fácil ao ser humano ser tutorado pelas ideias de outros que produzir as suas próprias. O Iluminismo pregava o libertar-se da menoridade (estado em que se é dirigido pelas ideias alheias) e assumir a maturidade, guiando-se pelas próprias convicções. Paul Tillich chamava a isto de heteronomia (governo do outro) e autonomia (governo próprio).
A permanência na imaturidade é, no frigir dos ovos, produto da preguiça intelectual e da covardia. Preguiça porque se recusa a trabalhar a mente para chegar a um pensamento próprio. Covardia porque não tem coragem de assumir o risco de guiar-se pelas próprias ideias. Vai que dá errado e não há a quem culpar! Na heteronomia sempre se pode acusar e culpar quem passou a ideia que deu errado.
No entanto, há uma menoridade forçada, quando os pais não permitem que seus filhos cresçam, que enfrentem os riscos do viver. Superprotetores, inibem a exposição à vida real. Tudo que vão fazer precisam de autorização, de uma ligação no celular dizendo onde estão, com quem estão. Se a mãetorista se atrasa alguns minutos para pegá-lo no colégio, o bebezão se apavora e liga desesperado para saber se aconteceu alguma coisa. Imaturos, quando vão para o mercado de trabalho, têm medo de decidir, de pensar. Sempre se fiaram nas decisões dos pais.
Trago o assunto à baila porque, nestes dias, está sendo discutida na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, a maioridade penal, reduzindo-a para 16 anos. O projeto tramita há 20 anos e ainda gera polêmicas acaloradas, haja visto os últimos episódios envolvendo os deputados pró e contra e os manifestantes.
Não se pode deixar de concordar que o adolescente da época em que foi estabelecida a maioridade penal aos 18 anos é diferente do adolescente que vive nos dias de hoje. Sem sombra de dúvidas, em função de uma série de fatores, os jovens de hoje estão muito mais conscientes e instruídos que os que viveram no passado. Há que acrescentar-se a isto que o crime evoluiu e hoje se usa o menor para roubar e matar porque se sabe que a pena para ele é mais branda.
Por outro lado, há que dizer-se também, em função do modelo superprotetor já mencionado ou da fragmentação dos laços familiares, quando muitos dos jovens marginais não tiveram nem pai nem mãe, que mais do que culpados, são vítimas. Vítimas de uma sociedade que exige que os pais trabalhem para pagar um custo de vida exorbitante, vítimas de um sistema que gera lucro fácil com a venda de drogas ou no furto, roubo ou assalto, vítimas de um modelo educacional desmotivador, vítimas de uma mídia que cria necessidades de supérfluos como o tênis da moda, o celular de última geração, etc.
Não reduzir a maioridade penal é manter estes jovens sob a tutela, o que é imaturidade. Diminuir a menoridade penal como sendo a panaceia de todos os males é romantismo ingênuo. É comodismo dos incomodados.
Temo que, reduzindo-se a maioridade penal, nossas já abarrotadas prisões, ainda mais superlotadas ficarão. O custo de uma pessoa presa é muito maior que o custo de dar a ele uma educação sadia, com apoio de trabalhos comunitários e gente que, por vocação, tem se dedicado ao terceiro setor, que vive às mínguas com os recursos mínimos que são disponibilizados.
Sou a favor da redução da maioridade penal, mas não com prisão, mas com educação e carinho para a reabilitação, feito por gente vocacionada e capacitada para isto e não por trogloditas que se valem da violência para obter obediência.
Marcos Inhauser