Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 25 de maio de 2016

PEDÓFILOS E CORRUPTOS

Na minha “santa inguinorança” da medicina psiquiátrica e da psicopatologia, tenho a informação de que psicopata, especialmente os que se revelaram como tais já adultos, não têm cura. Também tenho a informação de que os pedófilos são psicopatas e, por conseguinte, incuráveis.
Isto explica porque eles, mesmo sendo descobertos e penalizados por seu comportamento, voltam a delinquir. Há estados dentro dos Estados Unidos e, se não me engano, também em alguns países da Europa que, ao libertarem o pedófilo por terem cumprido a pena, são devolvidos à sociedade e um alerta é dado à vizinhança para que o indivíduo seja monitorado, com vistas a evitar que pratique a pedofilia outra vez. Isto também explica porque muitos sacerdotes e pastores flagrados no crime, são tratados com certa benevolência pelas autoridades religiosas que os move para outros lugares, na esperança de que não voltem a praticar o crime, o que, no mais das vezes, não acontecesse e ele reincidem.
Nestes tempos de Lava Jato e declarações públicas de indiciados e réus, tenho sido levado a apensar em um novo tipo de psicopata: o politicopata. Ele se apresenta com a maior cara-de-pau tentando explicar o batom na cueca, com a maior desfaçatez e hipocrisia. A certeza deste enfermo (sic) veio com as “explicações” do Romero Jucá para a divulgação de uma conversa nada republicana que manteve com o ex-senador e ex-diretor da Transpetro. A cara-de-pau em explicar o inexplicável, o malabarismo feito para contornar interpretações que saltam do texto de forma inequívoca, a cara de vítima e santarrão, me levaram a pensar que ele é extremamente inteligente e sem nenhum sentimento (ambas características do psicopata).
A revelação de um corrupto traz-nos à tona a sua corrupção não só no nível da propina, mas na capacidade que ele tem de corromper o idioma e o sentido estabelecido da palavra. O Jucá teve a capacidade de, sem ficar vermelho, dar ao termo “boi de piranha” sentido completamente diferente daquele que todos os brasileiros lhe dão. Corrompeu o sentido useiro e vezeiro da palavra.
Para não restar dúvida da sua capacidade de corromper, também ressignificou a palavra “delimitar”, dizendo que era investigar e punir quem de merecia condenação. O sentido dicionário de “colocar limites”, “estancar”, “parar” foram para as calendas.
O Jucá, quem tem mais tempo na política que muitos, é um boquirroto e um bravateiro. Dizer que poderia haver um pacto nacional, com os três poderes, para “delimitar” a Lava Jato, é coisa de gente insana, seja pela impossibilidade real, seja pelas circunstâncias atuais.
São politicopatas o Zé Dirceu (mesmo condenado pelo Mensalão, continuou a delinquir), o Genu (que zombou do Judiciário e transferiu o esquema do Mensalão para o Petrolão), o Cunha e sua impassividade circunstancial que se traduz em vingança hepática, o Renan e sua fleuma em dar a entender que nada o atinge, o André Moura quem, mesmo tendo uma extensa folha corrida com acusação de tentativa de homicídio se afirma inocente e se apresenta como líder do governo, e muitos outros que o tamanho da minha coluna não me permite nominá-los.
Seria o Temer um autista político quem, mesmo vendo o seu entorno e as pessoas que com ele se relacionam, ignora as advertências e segue em frente como se nada pudesse acontecer?
Marcos Inhauser

quarta-feira, 18 de maio de 2016

TEMER(IDADES)

O sentimento de indignação com a corrupção está à flor da pele dos brasileiros. Não há dia que algo novo não venha à tona, envolvendo os mais variados setores da economia, os mais variados personagens, tanto na esfera pública como privada, tanto tubarões como lambaris. A coisa transpareceu na Câmara, quando da votação da admissibilidade de julgamento da presidente. Muitos (se não a maioria dos deputados), ao explicitar seu voto no festival de babaquices que se viu, declarou o desejo de colocar um fim à corrupção, ainda que o assunto não fosse o que estava em pauta e nem era o que se votava.
Com isto, vejo que a nomeação do ministério feita pelo presidente-interino Michel Temer foi uma Temer(idade). Indicar sete ministros que estão sendo acusados pela Lava Jato é uma temeridade. Sei que ninguém é culpado a priori, que só se torna culpado depois de sentença transitada em julgado, que a pessoa é inocente até que se prove o contrário. Ocorre que, salvo raríssimas exceções, os que tiveram seus nomes citados pelos delatores premiados foram posteriormente investigados e se comprovou o que diziam. Aí está o caso do Eduardo Cunha, do Delcídio Amaral, do Argolo, do Pedro Henry e outros mais.
Ter o ministro Eliseu Padilha é uma temeridade. Ele foi acusado de ser lobista, de ter atuado em favor de empresas e de ter pago dois milhões de forma ilícita. A acusação foi feita em 2003, a ação foi impetrada em 2013 (!!!) e até agora nada de julgamento.
O Geddel Vieira Lima é acusado de ter desviado mais de um milhão da corretora de valores do Baneb (1999), o que lhe custou a demissão do cargo que ocupava. Ainda pesam sobre ele o fato de ter mensagens interceptadas nas quais advogava a favor da OAS, o que lhe garantiu recursos para sua candidatura ao Senado, graças à “generosidade” do Léo Pinheiro.
O ministro Moreira Franco teve um apartamento leiloado pela Justiça (1997) para que se devolvesse dinheiro utilizado indevidamente para enaltecer as suas obras à frente do governo do estado do Rio.
O ministro Henrique Eduardo Alves, quando da sua eleição para a presidência da Câmara em 2013 teve uma série de acusações feitas contra ele: de ter dinheiro não declarado no exterior, contratar empresa laranja, beneficiar assessor, entre outras.
O ministro Blairo Maggi ganhou o prêmio Motosserra de Ouro, já foi considerado como um dos mais ferrenhos apoiadores do desmatamento, é conhecido como rei da soja (título que perdeu para Eraí Maggi). O estado de Mato Grosso forma o "Arco do Desmatamento" (a parte da Amazônia mais desflorestada) e o desmatamento do estado dobrou no seu governo. Uma temeridade colocá-lo no Ministério da Agricultura.
Temeridade foi a entrevista do ministro da Justiça, falando o que não era hora de falar e dando cordas para uma série de interpretações, inclusive a de que o novo governo interferiria na Lava Jato. Na mesma linha, também a entrevista do ministro da Saúde (que recebeu financiamento de campanha de planos de saúde), quem disse que o SUS precisa ser readequado, o que provocou celeuma e ele teve que recuar no mesmo dia.
Temeridade é chamar sindicalistas para que proponham mudanças na Previdência. Pura perda de tempo, porque nunca apresentaram nenhuma proposta concreta e não o farão agora.
Temeridade é ter um ministério com doze ministros que receberam, contribuições de empresas que estão na Lava Jato.
Temeridade é ter um ministério sem mulheres e negros.
Temeridade é querer mudar o Brasil nos seis meses que, porventura, estará em um governo interino, ou até 2018, caso venha a assumir a presidência.

Marcos Inhauser

quarta-feira, 11 de maio de 2016

VIROU CIRCO?

Há algumas palavras que, parecidas foneticamente, são diferentes e enunciam significados próprios: conveniência, convivência, conivência e competência. Lidamos com estas palavras (ou com o que elas significam) a cada decisão que tomamos. Elas embasam atitudes e comportamento social, regem valores éticos e, sobretudo, avaliações sobre os outros.
Há decisões que as tomamos por conveniência. Compro determinado produto, pago com dinheiro ou cartão, segundo me for conveniente. Vou de carro, ônibus ou avião de acordo com minhas conveniências. Hospedo-me na casa de amigos ou prefiro um hotel, segundo o que me for mais conveniente. Para vender algo em momento de crise, talvez me seja conveniente reduzir o preço.  A conveniência pode ser positiva ou negativa. Ela será negativa quando o conveniente encobre erros ou crimes.
Há uma certa tendência de sermos favoráveis e privilegiarmos quem conhecemos e com quem “já comemos um quilo de sal juntos”. Mas a verdade oposta também pode ser considerada quando, por conhecermos a pessoa por termos com ela convivido, fazemos juízo negativo. Dia destes sugeri uma pessoa para uma posição e o meu interlocutor, por conhecer bem a pessoa que eu indicava, foi taxativa: “não, é muito enrolada”. Há quem diga que a muito provável decisão do Temer de nomear como Ministro da Justiça ao Alexandre Moraes, se deve ao fato de serem amigos. O mesmo se diz do outro que fôra cotado para o mesmo cargo, o Antonio Mariz.
Há as contemplações favoráveis que fazemos por conivência. Avalio bem certa pessoa porque não quero que ele diga o que sabe de mim. Nomeio este ou aquele porque pertence ao meu grupo de negociatas. As revelações da Lava-jato mostram quantas nomeações, indicações e cargos foram contemplados por parceiros do crime. Havia conivência.
Há agora a promessa do Temer de montar um ministério de notáveis, o que, se deduz, de gente competente. Estamos cansados de ter gente nomeada por conivência, por convivência (indicado por ser amigo), por convênio partidário (a famosa coalizão). Aí estão fartos exemplos desta forma de se montar uma equipe ministerial.
Na análise destes elementos me vem a pergunta: qual foi o critério que se usou para colocar o Valdir Maranhão como vice-presidente na chapa do Eduardo Cunha? Com certeza, não foi o da competência. Qual foi o critério que se usou para manter o Mantega no ministério por tanto tempo, apesar das lambanças feitas e que agora vêm à luz? Quais foram os critérios para se colocar na tesouraria do partido ao Delúbio e o Vaccari? Quais os critérios para o Temer se cercar do Geddel, Romero Jucá. Nascimento, Henrique Eduardo Alves?
Mas a coisa complicou quando ontem, em uma decisão surpreendente, o presidente interino (ou intestino?) da Câmara, em decisão monocromática, mostrou toda a sua incompetência, complacência às pressões e conveniência (quando percebeu que perderia o mandato e, por conseguinte o mandato, o que lhe colocaria sem foro para enfrentar as acusações que sobre ele pesam), foi inicialmente conivente, depois incompetente, depois conveniente e, afinal, indecente ao revogar a decisão tomada horas antes.
Quando soube da notícia da anulação, o primeiro pensamento que me veio à mente foi: virou circo! Somou-se à vergonha que tive ao ouvir todos os votos dados na sessão da Câmara que aprovou a plausibilidade do impeachment: um rosário de babaquices. Fui ver e ouvir as repercussões do ato e o sentimento circense não me fugia da cabeça. Vi a espetacularização do embate no Senado e a conveniência do senador Renan ao forçar a barra pela cassação do Delcídio, por medo de ser acusado em plenário pelo delator-premiado.
Neste universo, chego à conclusão de que o sistema eleitoral brasileiro não privilegia as competências, antes elege quem está em evidência fabricada pela mídia e propaganda eleitoral.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 4 de maio de 2016

QUEM VOS FASCINOU?

Acredito que o apóstolo Paulo, quando foi à Galácia, encontrou ali gente receptiva às novas ideias, o que o levou a se dedicar em criar uma comunidade alicerçada na teologia da graça e a completa libertação da escravidão das regras e mandamentos. Feito o serviço, foi para outras bandas. Mais tarde recebeu notícias que o deixaram frustrado. O que havia ensinado e posto em prática tinha sido abandonado.
Escrevendo a eles, em carta bastante biliática, exclama: “Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros … Sois assim insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais, agora, vos aperfeiçoando na carne?” (3:1-3). A frustração se devia ao retrocesso, à troca do excelente pelo medíocre.
No trabalho pastoral tive este tipo de sentimento algumas vezes. Pessoas e comunidades onde dei o sangue para ensinar a viver a graça e descobri, mais tarde, que se deixaram levar pelo domínio de regras e mandamentos. Gente que vem a mim elogiar pregadores de obviedades, anunciadores da justiça retributiva, mendigos religiosos a pedir esmolas para sustento deste ou daquele programa. Ouvir que Fulano é excelente pregador quando o elogiado foi duramente criticado por um grupo de pastores com teologia anêmica, que pediu que ele nunca mais fosse convidado. Gente que me manda vídeo de sermões horrorosos, no anseio de me converter ao be-a-bá que abandonei há muito tempo. Gente que se julga auxiliar e braço direito do Espírito Santo na obra da conversão, convencimento e santificação!
A mesma frustração se pode aplicar a outras esferas. Quem foi que vos fascinou para que, tendo começado no combate pela ética, vos tornastes símbolo da corrupção? Quem vos fascinou para que, tendo começado na luta pelos trabalhadores, vos tornastes a causa da maior crise de empregos da história do Brasil? Quem vos fascinou para que hoje condenes os instrumentos que vós usastes no passado? 
Quem vos fascinou, ó Zé Dirceu, para mudar o que dissestes em 1992, quando do impeachment do Collor: "Não é o presidente Ibsen Pinheiro, não são os partidos que sustentam o processo de impeachment do presidente da República e não é esta Casa; mas, sim, a Constituição que estabelece que a autorização é matéria de competência da Câmara dos Deputados".
Quem vos fascinou, ó Aldo Rebelo, para hoje pensar diferente do que pensavas em 1992: "Querem melhor proteção, querem mais democracia, querem mais direito de defesa do que esta Casa precisar de dois terços de seus votos para autorizar processo contra um corrupto? Para que mais proteção? Para que mais democracia?".
Quem vos fascinou, ó Aloizio Mercante, para que hoje negues o que dissestes em 1992: "O desafio de consolidarmos a democracia no Brasil e darmos ao mundo o exemplo de quem sabe corrigir os erros sem ferir a ordem constitucional.”
Seria o Fiat Elba do Collor mais pecado que as pedaladas e decretos ilegais? Seriam os desvios do PC Farias mais corrupção que o que já se sabe pela Lava Jato?
Quem vos fascinou? Ou deveria ser a pergunta feita desta forma: o que vos fa$cinou para serdes hoje o oposto do que dizias que serias?
Marcos Inhauser