Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

HENOTEÍSMO E MONOTEÍSMO

Segue texto do meu amigo e teólogo Paulo Rückert:
A dura lição do exílio na Babilônia provocou o amadurecimento teológico dos judeus. O confronto com os deuses dos dominadores ocasionou uma transição do Henoteísmo para o Monoteísmo.
O Henoteísmo afirma a adoração exclusiva de um Deus, que é superior aos demais deuses (2 Cr 2,5; Ex 15,11; Sl 82,1). Os outros povos têm os seus deuses, mas para os hebreus há somente um Deus, o verdadeiro. Os demais deuses foram subordinados a Iahweh (Sl 82), o Deus dos hebreus. “Celebrai o Deus dos deuses, porque o seu amor é para sempre!” (Sl 136,2).
No Sl 95,3 lemos: “Porque Iahweh é Deus grande, o grande rei sobre todos os deuses”. O hebreu reconhecia a existência dos deuses dos outros povos, mas declarava de modo enfático: Iahweh é superior a todos eles. Ele controla toda a realidade. Ele é o grande Rei (Sl 77,13; 96,4-5; 97,9; 136,2-3; 145,1).
O Sl 96 declara: “Pois Iahweh é grande, e muito louvável, mais temível que todos os deuses!” (v. 4). “Os deuses dos povos são todos vazios” (v. 5). Diante de Iahweh, os demais deuses são inexpressivos. Iahweh é o maior de todos (Sl 97,7; 115,4-8; 135,15-18; Is 40,18-19; 41,21-24).
“Graças te darei, de todo o coração; celebrar-te-ei perante os deuses” (Sl 138,1). Ao povo hebreu compete adorar somente um: Iahweh. Não há possibilidades para um sincretismo. Encontramos também declarações de henoteísmo em Ex 15,11; Dt 3,24; Sl 77,14.
Por sua vez, o Monoteísmo declara que só existe o único Deus verdadeiro com o qual todos os acontecimentos estão relacionados. Há um só Deus e os ídolos são nulos e inexistentes (Is 43,10; 44,6; Dt 32,39; 1 Rs 8,60; Sl 18,31; Zc 14,9). Vejamos o Sl 86,10: “pois tu és grande e fazes maravilhas, tu és Deus, tu és o único”. Vejamos também Is 45,21; Jr 10,6.
A partir da afirmação do Monoteísmo, o povo constatou que Deus continua com o controle dos acontecimentos. O propósito divino se realiza.
Mais tarde, Isaías formulou o monoteísmo absoluto (45,6.14-21), que é mais afirmativo do que o henoteísmo, pois declara a nulidade e a inexistência dos ídolos. O profeta Zacarias radicalizou o monoteísmo (Zc 14,9).
O monoteísmo ético significa que o único Deus compromete a pessoa a orientar a sua vida mediante princípios éticos. A fé e a ética estão interligadas.
 “A evolução intelectual e religiosa da antiga sociedade oriental tendia para o monoteísmo ético e transcendental. Apenas os judeus, no entanto, foram capazes de levar essa tendência a uma conclusão lógica e inequívoca” (William McNeill, História Universal, p. 59).
Portanto, o monoteísmo não se restringe a uma crença teórica e abstrata, contestada por Tiago (2,19). O monoteísmo ético implica um vínculo entre fé e compromisso. “A definição de monoteísmo ético por esse povo foi, portanto, uma das maiores e mais duradouras conquistas da antiga civilização oriental” (William McNeill, p. 64).
Não se trata de uma contemplação esotérica de um disco solar (como foi proposto pelo faraó Aquenáton), mas de um relacionamento pessoal com o Deus vivo, que se reflete nas relações e na conduta com a totalidade dos seres vivos. 



quarta-feira, 2 de agosto de 2017

COM QUEM ANDAS?


Diz o ditado: “dize-me com quem andas e dir-te-ei quem és”. Sabedoria popular acumulada por séculos. Aplicada no dia-a-dia, nem sempre ela se aplica cabal e infalivelmente. Um exemplo disto é Jesus: andou com publicano, zelote, ladrão, esteve na casa de coletor de impostos odiado pelo povo, deixou-se lavar os pés por uma prostituta, teve um mentiroso em sua companhia. Nem por isto teve em sua vida uma destas características.

No entanto, se esta máxima popular for aplicada ao Temer, tenho a impressão de que a conclusão será outra. Ele está cercado de pessoas suspeitas, denunciadas por mais de um delator da Lava Jato (Padilha, Gedel, Jucá e Moreira Franco). Do seu círculo próximo de auxiliares, vários devem explicações à Justiça: Loures, Yunes, Filipelli. Do seu entorno político, o Marum, precisa explicar sua lealdade ao Eduardo Cunha, ao ponto de visitá-lo na cadeia em Curitiba, com viagem que ele cobrou da Câmara. O Perondi e o Vladimir Costa (aquele que tatuou Temer o ombro depois de ganhar cinco milhões em emendas parlamentares) são figuras histriônicas que se desacreditam cada vez que falam. O relator que apresentou a versão pró-Temer na CCJ, o Ackel, também foi agraciado com emendas parlamentares, assim como tantos outros, no festival de liberação que antecedeu a votação. Até o presidente da CCJ recebeu quinhentos mil para pagar dívida.

O presidente teve o apoio em sua campanha dos dez milhões da Odebrecht, acertados em reunião no Palácio do Jaburu, mesmo local da reunião com o Joesley, a quem agora ele chama de bandido e seus funcionários de capangas. Para se segurar no cargo, reúne-se com o Aécio, também no Palácio do Jaburu, outro enrolado com a delação da JBS e Furnas.

Dos seus ministros, Kassab, Bruno de Araújo, Aloisio Nunes, Marcos Antonio Pereira, Blairo Maggi e Helder Barbalho devem explicações às citações feitas pelos delatores. Os líderes André Moura e Aguinaldo Ribeiro não fogem à regra: estão sujos na Lava Jato.

Sobra quem? Esta é a pergunta que muitos se fazem.

Mas vamos adiante: um presidente que tem uma acusação com áudio gravado em que comete o crime de obstrução da Justiça e corrupção, que ouve de um cidadão que ele está corrompendo juiz e nada faz, pode governar um país? Merece credibilidade um presidente que compra votos de parlamentares abrindo as torneiras do erário para liberar emendas parlamentares, mesmo diante do rombo nas contas públicas? Tem autoridade um político que se sustenta no cargo pela compra de votos e chicanas regimentais, trocando peças na CCJ para que a votação lhe seja favorável?

Na América Latina vivemos dias ímpares: na Venezuela um presidente que se sustenta pela truculência, por histrionismos retórico e chicanas jurídicas para convocar uma constituinte a seu gosto e formato. No Brasil, um presidente que se sustenta com mudanças nos membros da CCJ, com compra de votos e Decreto Lei que agrada a bancada ruralista. Dois mandatos ilegítimos pelos atos praticados. Se na Venezuela há mortes nas manifestações, no Brasil há mortes pelo contingenciamento de verbas para a saúde. Se a Venezuela está falida, no Brasil estados estão falidos ou em estado pré-falimentar.

Neste momento parece que Venezuela e Brasil são nações gêmeas siamesas.

Marcos Inhauser

quarta-feira, 26 de julho de 2017

COMUNICAÇÃO CANSATIVA


Ouvi hoje a entrevista do ex-jogador são-paulino que volta ao time, o Hernanes. Em quinze segundos de fala ele repetiu três vezes o advérbio “realmente”. Irritante!

Cada vez que ouço alguém falando e usa um dos cacoetes (serão mesmo cacoetes?) como “realmente”, “na verdade”, “neste momento”, “ entendeu?”, “né” passo a contar quantas vezes a pessoa vai repetir o irritante cacoete. Tem gente que diz que sofro de Transtorno Obsessivo Compulsivo, mas acho que é implicância com coisas que só fazem irritar.

Dou alguns exemplos: um repórter da CBN Campinas, quando do acidente com o barco na Lagoa do Taquaral e que lá estava para reportar o que estavam fazendo, falou em sua intervenção (que durou uns dois minutos) mais de quinze vezes a expressão “neste momento”. Uma repórter da mesma rádio, em uma fala de 30 segundos mais ou menos, repetiu o “realmente” sete vezes. Uma psicóloga dando uma entrevista na televisão, repetiu nada menos que 28 vezes o “realmente”.

Quando uma pessoa começa a frase com o “na verdade” eu me ponho na defensiva: ele quer me convencer de que está falando a verdade e que o que ele fala não pode ser questionado. Se ele começa com “na verdade” como posso duvidar do que diz? Como posso questionar? A melhor atitude para os que usam o “na verdade” é ficar quieto e engolir o que falam, mesmo que seja asneira. Digo isto porque já tentei questionar e me dei mal e quase perco um amigo.

Dependendo do que a pessoa fala, o “neste momento” é desnecessário. A descrição feita pelo repórter era feita em cima dos fatos e dizer “neste momento” era redundante. Só podia ser naquele momento. E pela redundância e pela repetição tornou-se cansativo. Já ouvi muitas vezes em igrejas esta expressão: “neste momento” vamos ter uma oração ... Desnecessário!

Mas o que me irrita e me coloca na defensiva é a repetição do “entendeu”. Para mim, o que a pessoa está me comunicando é que o que ela está dizendo é tão complicado ou profundo que ela precisa se certificar de que estou entendendo a sua colocação. No fundo, é uma forma de me depreciar. Se você disser para sacanear: “não, não estou entendendo” a pessoa se perde na sua fala ou, o que é pior, vai tentar explicar o óbvio que está dizendo. Mesmo porque, todas as vezes que vi alguém empregando com insistência o “entendeu” não estava dizendo nada mais que obviedades.

Acho que esta minha implicância e o contar as vezes que as coisas se repetem se deve a uma experiência da juventude. Tive um professor de química que abusava do “né”. Os alunos faziam um bingo para ver quem mais próximo chegava da quantidade de “né” que ele proferia em uma hora de aula. Três estavam encarregados de contar e se tirava a média das contagens porque a gente às vezes perdia um ou outro. Quem mais próximo chegasse do número aferido, ganhava a bolada das apostas feitas. A média era de 250 por hora!

Para mim o “né” é manipulador: é uma contração do “não e?” e o uso dele implica em me fazer concordar com o que a pessoa está falando, sem ter chances de questionar.

Na verdade, realmente fui chato neste momento, né? Perdão!

Marcos Inhauser

quarta-feira, 19 de julho de 2017

RECUPERANDO


Como não tenho feito outra coisa que ficar de molho, a cabeça tem trabalhado! E, por estar vendo notícias até não mais poder, o que tenho pensado e refletido tem conexão com o que escuto que está acontecendo, relacionando com meu estado de saúde.

Se há algumas semanas a palavra da semana foi “ilação”, a desta, ao que parece é “recuperação”. Nisto estou: em processo de recuperação de uma Trombose Venosa Profunda que me obstruiu cinco veias da perna esquerda. A cada dia é uma expectativa nova de que a coisa esteja melhor, a cada movimento mais ousado fico esperando a reação, se favorável ou não. Fui fazer os exames requeridos e a primeira coisa que fiz foi ver a data dos resultados. Frustrei-me com um que só deve sair em meados de agosto. É muita espera para saber com clareza o que aconteceu. Imagino que não me deixarão livre e solto até lá. Um martírio!

Fico entre o desejo e a consciência da gravidade. Ela me faz repousar (ainda que a contragosto). Ele me move a querer fazer coisas, trabalhar e ser o que sempre fui: elétrico. Os sinais de melhora, por mais imperceptíveis que possam ser, e alguns deles só eu sinto, são comemorados, a expectativa de pronto restabelecimento é aquecida e o desejo de voltar à normalidade é promovida.

Vendo os noticiários percebo que o Temer também está no mesmo. Acometido por várias tromboses incriminatórias, fruto de seu comportamento questionável no trato das questões políticas e republicanas e também pelo DNA da política brasileira que tem o cromossomo da corrupção, ele teve que entrar na UTI da CCJ e manobrar como pode para se safar e tentar voltar à normalidade. Trocou diagnósticos, médicos, remédio e, de uma forma bastante questionável, safou-se da UTI, ainda que haja um novo exame detalhado a ser feito pelo plenário da Câmara.

Ganhou uns dias de “aparente” recuperação que só ele e seus asseclas percebem e propagam aos quatro ventos. Sinais mínimos são hiperbolizados nas mídias sociais, meio escolhido para dizer o que quer e não ser questionado de pronto por jornalistas, tal como se dá nas coletivas. Os pronunciamentos pasteurizados e feitos sob encomenda, onde marqueteiros regiamente pagos cuidam da “imagem”, de forma a mostrar que o paciente está bem, quando está moribundo.

Um 0,001% em alguma coisa é vendido como se o trem estivesse voltando aos trilhos. A criação de alguns postos de emprego (desprezíveis diante da massa de desempregados) é anunciada como a recuperação do paciente e da economia. Faz-se um processo seletivo dos dados, uma vez que nada se fala da queda do PIB, das projeções que diminuem a cada semana. Uma recuperação desejada pelo paciente, mas não referendada pelos diagnósticos.

O Temer e eu estamos na mesma (guardadas as devidas proporções e natureza da enfermidade). Ambos queremos a recuperação imediata, como se ela viesse por um passe de mágica, num estalar dos dedos. Ambos aguardamos resultados de exames feitos e olhamos a cada dia para os indicadores para buscar sinais mínimos de melhora. As semelhanças param aqui. Eu tenho gente orando por mim e querendo que eu melhore. Ele tem gente querendo que seja comido pela enfermidade e que não se recupere. Eu não suborno médicos e não dou verbas extras para garantir diagnósticos favoráveis. Confio no meu Deus. Ele confia no Padilha, Moreira, Geddel, Marun, Perondi, etc. Eu tomo remédios. Ele, ao que me parece, está tomando veneno.

Mas, ao fim e ao cabo, pensando que o enfermo também é a nação brasileira, oro por mim e pela nação para que ambos nos recuperemos prontamente!

Marcos Inhauser

quarta-feira, 12 de julho de 2017

TROMBOSE POLÍTICA


Eu já tinha sido alertado, mas a coisa me pegou feio. Tenho uma mutação genética conhecida como Fator de Leiden ou Fator V que causa uma predisposição à hipercoagulabilidade e à trombose. Isto ocorre pela interferência na atuação da proteína C. A mutação é mais comum na população da Europa e nos descendentes. Dizem que 5% da população tem isto, mas que não é comum em latino americanos, africanos e asiáticos.

Na semana passada tive uma Trombose Venosa Profunda (TVP) com direito a UTI e hospital e recomendação de repouso absoluto. Um trombo se formou e se alojou na veia da perna esquerda. O sangue era bombado e levado até ela pela artéria, mas o retorno era prejudicado e obstaculizado pelo entupimento da veia, o que gerou um inchaço e dores decorrentes. Confesso que me assustei com a coisa, mais por ter que ficar em repouso.

Diante do repouso forçado, tive tempo para ver as notícias, ler coisas e refletir. Acabei por concluir que a política brasileira sofre do mesmo mal. O sangue cheio de oxigênio é enviado aos órgãos. Há o voto popular, o pagamento dos impostos e taxas, mas existem trombos que impedem que o resultado da oxigenação seja completo porque a corrupção entope os canais normais de funcionamento. Há o inchaço e a dificuldade de funcionamento pleno. No setor público a trombose se chama burocracia, propina, apadrinhamento, indicação política, esquemas, caixa dois, sobra de campanha, etc.

O remédio é tomar algo que vá “desfazendo” o trombo, para que a circulação volte ao normal. No meu leigo entendimento, este “desfazimento” precisa ser cauteloso e lento para que o processo não espalhe pedaços do trombo por outras partes. No caso da política brasileira, acho que o processo está se dando pela Lava Jato. Ela tem trabalhado constante e regularmente, com a velocidade que a complexidade amerita, retirando trombos da circulação e, especialmente recuperando o oxigênio que se perdeu durante os anos em que a trombose correu solta nos mais vários órgãos e segmentos da vida pública brasileira.

Ocorre que, a cada dia, somos alertados por mais um Ecodopler feito pela Polícia Federal ou PGR, dando conta de alguma outra artéria ou veia que está entupida ou com circulação dificultada. Os médicos/políticos charlatães vão dizer que há perseguição política, que os diagnósticos são obra de ficção, que se se retira o trombo todo o corpo pode sofrer, que o estado trombótico é antigo, que há uma trombofilia no DNA da política, que o diagnóstico é maluquice, que os remédios são amargos e com sérios efeitos colaterais, que se se viveu até agora assim, porque querer mudar o DNA do fator coagulante?

Estamos às voltas com mais um Ecodopler que mostra um trombo na artéria principal do corpo público: o trombo chamado Temer. Ontem, por causa do repouso, tive tempo e paciência para assistir toda a sessão da CCJ. Fiquei estarrecido com as manobras feitas para preservar o trombo que obstaculiza a livre circulação. Trocaram peças, feriram a ética, alegaram o escambau para dizer que o trombo da nossa aorta não é trombo, mas ficção de uma equipe médica desqualificada. Negaram a qualidade do aparelho que trouxe os indícios, que o exame é viciado e o diagnóstico é irreal. Trocaram os auditores por gente mais maleável, que mudou a visão porque colocaram à frente do diagnóstico alguns cifrões e cargos.

Esta trombose temerosa precisa ser tratada e o coágulo retirado o quanto antes, para que a oxigenação volte a ocorrer. Meu medo é que entre outro trombofílico no seu lugar. Aí seria de Maia para a minha cabeça!!!!

Marcos Inhauser


quarta-feira, 28 de junho de 2017

O DISCURSO NEM ... NEM


Você se convenceu com o pronunciamento do presidente?

Para mim foi um discurso “nem ... nem”. Ele nem explicou e nem convenceu.

O que me chama a atenção é que, cercado de assessores, ministros e asseclas, não conseguiu fugir do script típico da pessoa pilhada no flagrante: desqualificar o acusador.

Neste afã começou desqualificando o Procurador Geral da República, que hoje tem mais credibilidade perante a opinião pública que o presidente. Desqualificou o depoente da delação premiada, o até então interlocutor próximo a ponto de recebê-lo na calada da noite no Palácio do Jaburu. Desqualificou a gravação como prova ilícita. Desqualificou a perícia feita por técnicos especialistas, como se ele tivesse mais conhecimento que os que assim se especializaram e são reconhecidos. Indiretamente desqualificou a Polícia Federal. Só são qualificados os amigos do rei, o pessoal todo enrolado até o pescoço com as denúncias várias de crimes que estão sendo investigados.

Falou e repetiu ad nausean “ilação”, que tem o sentido de suposição, acusando o PGR de se basear em suposições e inverdades, fabricando uma ficção para incriminá-lo. No entento, não ficou vermelho ao fazer a ilação de que o PGR poderia ter se beneficiado financeiramente com a delação da JBS. E, para cúmulo dos disparates, disse que não acusaria porque tem responsabilidade.

Pode ser ficção a fala do Temer gravada, reconhecida por ele em pronunciamentos logo após a divulgação das gravações? É ficção a presença do Joesley depois das 22:00 horas no Palácio, quando já não havia imprensa para testemunhar o encontro que não podia ser de conhecimento púbico? É ficção que tenha delegado ao Loures a tarefa de conversar com o Joesley e que, depois disto, este amigo “da mais estrita confiança” tenha sido gravado acertando o percentual da mesada semanal? É ficção a gravação da mala de dinheiro? É ficção a viagem que fez no jatinho da JBS e que alega que não sabia de quem se tratava, mas que tem como prefixo PP-JBS, e que ligou depois para agradecer as flores dadas à esposa?

Ele não deu uma explicação sequer a nenhuma das acusações que lhe foram feitas. Típico discurso de quem tem medo de dizer a verdade. Por falar nisto, a sua forma de gesticular, de forma não natural e espontânea, alisando constantemente as mãos, para mim, é forma de desviar a atenção para as mãos, evitando ser visto nos olhos.

Deve-se dizer ainda que seu discurso de que, com ele, a economia está se recuperando, é apropriação indébita de obra alheia. Se alguém merece algum crédito nisto é o Meireles e a equipe que ele montou. Por mais que me esforce, não consigo ver nos mínimos avanços havidos o dedo do Temer, antes, acho que, se ele não mudasse de opinião a cada piscada e não cedesse às pressões, as reformas já estariam aprovadas.

Ele optou pela confrontação. Vai perder a guerra. Seus soldados estão com diarreia moral, vertendo podridão por onde passaram e passam. Ele não tem o apoio popular e o seu apoio parlamentar não leva os fisiológicos que o apoiam a saltar no precipício com ele. Há hora agá é o “salve-se quem puder”. Na hora de votar, com as câmeras filmando transmitindo para o país, só meia dúzia vai com ele para o cadafalso.

E no meio deste imbróglio está o muralista PSDB. Até quando os éticos de situação defenderão o Aécio e apoiarão o Temer. As urnas estão logo ali, sem muito tempo para que povo esqueça.

Temer, tema pela sua sorte! Tema Curitiba, São José dos Pinhais. Tema as delações do Funaro, Eduardo Cunha e Palocci.

Marcos Inhauser

quinta-feira, 22 de junho de 2017

INVESTIGAÇÕES, MANTRAS E CONDENAÇÕES

Muitos já disseram que, em nenhuma outra época da história do Brasil, houve tanta investigação policial como o que se tem feito nos últimos três anos. Desde o início da Lava Jato muita gente foi investigada, muita coisa foi descoberta, nunca se teve tanta gente contando o que sabe em troca de redução das penas, nunca se devolveu tanto dinheiro roubado aos verdadeiros donos como tem acontecido nestes tempos.
Por outro lado, não se pode deixar de reconhecer o sentimento de “quase-impunidade” que reina entre os delatores. Basta delatar e entregar as provas que os crimes mais escabrosos são abençoados com uma punição simbólica. Isto quando a coisa não é o perdão completo pelos crimes cometidos.
Os delatados, investigados e réus têm mantras que repetem incessantemente, como se a repetição deles exorcizasse a pena merecida: “todas as contribuições foram feitas segundo a legislação”; “as contas foram aprovadas pela Justiça eleitoral”; “provarei minha inocência nos autos”; “minha vida sempre foi ética, transparente e conhecida de todos”; etc. Este é o mantra da auto-absolvição!
Outro mantra repetido por um e que ganha alguns adeptos é “não vi, não sei, não pedi, não autorizei, não tenho, não sou, aquilo é tralha, etc.”. É o mantra da negação.
Há ainda o mantra da terceirização: “nunca perguntei para ele de onde vinha o dinheiro”, “ele me deu o presente e eu o recebi”, “achei que era afruto do seu trabalho”, “era o pagamento da pensão que eu tinha direito”, “as despesas da campanha foram de responsabilidade do Beltrano”, etc.
Outro ainda é o mantra da vitimização: “isto é intriga da oposição”, “perseguição política contra minha pessoa”, “é a oligarquia querendo acabar com as conquistas dos pobres”, “querem me atribuir um crime que só existe na cabeça do meu acusador”, “foi um empréstimo de um amigo para me ajudar em uma situação difícil”, etc.
Diante dos investigadores e juiz há outros mantras: “reservo-me no direito de permanecer em silêncio”, “nada a declarar”, “só responderei às perguntas feitas pelos advogados de defesa”, “não respondo perguntas capciosas”, “eu não sei onde vossa excelência quer chegar com estas perguntas”, “o que este juízo quer é encontrar algo para provar o que, a priori, já definiram como sendo a verdade”.
Já tivemos alguns julgamentos simbólicos e históricos nestes últimos tempos. Talvez o mais exemplar foi o do TSE que, fazendo-se de cego e surdo, rejeitou provas legalmente colhidas e que incriminavam a chapa Dilma-Temer. O (ex?) senador Aécio está sendo julgado no momento em que escrevo estas linhas. O Temer será denunciado e será também julgado pelo Senado e, se não conseguir se safar com os 172 votos, será também julgado pelo STF. Mas e o Renan, Collor, Padilha, Moreira Franco, Rodrigo Maia, Eunício, Guido Mantega, Palocci, Eduardo Cunha, Funaro, Sarney, e tantos outros? Quando serão julgados? Vão recitar os mesmos mantras ou vão assumir o discurso da delação, entregando o que sabem fizeram e ganharam?
Ou, para tentar escapar de vez, vão tramar nos corredores a anistia ao “caixa dois”, o “abuso de autoridade”, a impossibilidade de se investigar porque fere a privacidade dos criminosos, a acusação aos investigadores como torturadores emocionais de pobres vítimas, a recuperação de recursos ilícitos como sendo o abuso contra a propriedade privada?
Marcos Inhauser

quarta-feira, 14 de junho de 2017

AUTORIDADE E PODER


“A autoridade é a força moral que impõe direitos e obrigações às pessoas sobre as quais exerce sua autoridade. Isto se estende ao plano social, incluindo a família, a cidade, o Estado, a Igreja, etc. E se faz uma distinção entre a autoridade puramente moral que se impões pelo prestígio ou dignidade da pessoa que a detém, livremente reconhecida e a autoridade política, onde a força moral e a força física andam juntas.” (Idigoras, J. L. Vocabulário Teológico para América Latina, Ed. Paulinas, 1983, pg 22).
A citação feita tem ampla aplicação, mas falha ao se aplicar à atual situação brasileira. Ela reconhece a imposição da autoridade pela força moral ou física, mas o que se vê aqui é a imposição pelo conchavo, pelas alianças espúrias, pelos atos inescrupulosos sacramentados pelo mantra de que “deve-se manter a governabilidade”, mesmo que para isto se mantenha corruptos em postos chaves do governo.
Como diria outro pensador (Gene Sharp): “Por causa da dependência que tem de outras pessoas para fazer funcionar o sistema, o governante está continuamente sujeito à influência e restrição, tanto por parte de seus auxiliares diretos, quanto da população”.
A autoridade se mede pela obediência que lhe é prestada. Quanto mais obediência (forçada ou voluntária), mais autoridade tem. Só que a obediência pela força promove não a autoridade, mas o autoritarismo, forma desviante e ilegítima de autoridade. A autoridade que se preze se vale da obediência voluntária, pelo reconhecimento das qualidades morais e administrativas que tem.
Daí um conceito-chave: “se os súditos negam ao governante o direito de governar e mandar, estão retirando a concordância geral ... que torna possível o governo em questão. A perda da autoridade desencadeia a desintegração do poder do governante” (Gene Sharp em Poder, Luta e Defesa, Ed. Paulinas, pg 23). Ainda, do mesmo pensador: “só florescem a tirania onde o povo por ignorância ou por desorganização, ou por real conivência e cumplicidade, apoia e estimula o tirano e o conserva no poder, permitindo que as pessoas sejam instrumentos de sua coerção” (idem, pg. 40).
Alguém já disse que as autoridades são mais susceptíveis à egolatria, à crueldade e à corrupção. A tomar-se a história brasileira dos últimos decênios veremos a acuidade desta afirmação. Parece que assuem certo messianismo quando em suas posições de autoridade. Sarney, Collor, FHC, Lula, Dilma e Temer podem ser enquadrados nestes quesitos.
Neste contexto, o império da lei é a única proteção contra a usurpação do ditador e do demagogo. Ocorre que, no Brasil de hoje, ainda que haja lampejos de esperança quanto ao império da lei e da justiça, somos sobressaltados e ficamos escandalizados com certos ministros tabajara que atuam nas altas cortes, por juízes nominados pelo réu e que votam sem impedimento ético, mesmo tendo sido advogado da parte, com sentenças prolatadas sem dar a mínima para as provas levantadas, pelo subterfúgio da tecnicalidade de que estava “fora da inicial”.
Em nome da governabilidade, decide-se pela ambiguidade: apoiar um governo corrupto para ter as reformas saneadoras. Fala-se e prega-se a ética, mas evita-se disciplinar o senador flagrado com a mão na botija.
Diderot, o filósofo francês tem uma frase lapidar que vou parafrasear. A frase é: ‘Há menos inconvenientes em ser louco entre loucos, do que ser sábio sozinho”.
Há menos inconvenientes em ser corrupto em meio de corruptos, do que ser honesto sozinho. Esta é a máxima da política e dos políticos brasileiros.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 7 de junho de 2017

VULCÕES POLÍTICOS


Na Costa Rica há um vulcão, Poas, que está em constante erupção, mas que não chega a derramar lavas para fora. É possível visitar, chegar à borda e ver o lago de coisa incandescente lá no fundo. É um parque turístico e muitos para lá vão. Ocorre que há dias em que a visitação está proibida porque, ainda que não lance lavas, lança pedras de tamanhos variados e quentes, que podem machucar. No caminho até à borda se encontra muitas destas pedras.

Em El Salvador há o lago de Ilopango que, segundo dizem, é um vulcão extinto que se encheu de água e hoje é um lago. O mesmo acontece com o de Mohanda, no Equador, que dá para entrar de carro dentro dele e nadar no lago que ali se formou. Da mesma forma o lago de Cuicocha.

Há vulcões e vulcões. Como brasileiros, ainda que não tenhamos nenhum vulcão ativo, vivemos em meio aos sismos provocados pelas erupções do vulcão político. Este vulcão esteve por muitos anos quieto, acumulando água e se pensava que suas águas eram calmas e que nada aconteceria. Houve, no entanto, um dia em que um sismo mostrou que a coisa poderia mudar de figura. Foi um vídeo gravado por um funcionário do correio relatando um esquema de falcatruas. As águas calmas do fundo do vulcão se movimentaram e houve quem quis garantir que voltariam ao normal em breve, que era marola.

A marola virou onda e as águas esquentaram e jogaram para foram algumas lavas e pedras, que machucaram os que muito perto dele estavam: foi a erupção do mensalão. Saiu pedra de todo lado, água fervente e muitos se queimaram, mas nem todos. Uns mais, outros menos, mas o vulcão fez sua obra de abalo parcial.

Depois de um tempo, tudo parecia que voltaria ao normal. Tal como no Poas. Dava até para visitar e ir fazer turismo à sua borda. De repente, uma lava veio como jato. Sismólogos e vulcanólogos perceberam que a coisa era feia e começaram a monitorar os microssismos, a temperatura interior e viram que a coisa explodiria a qualquer hora. Primeiro foram as explosões dos gerentes da Petrobrás que delataram a temperatura interna das falcatruas. Os menos avisados e os interessados em acalmar o público disseram que era mais fumaça que erupção.

Veio a delação dos executivos. Setenta e sete explosões que lançaram lava a jato para todos os quadrantes. Achava-se que era a erupção do fim-do-mundo. Não era.

Quando avaliaram os estragos destas setenta e sete explosões, tentaram dizer que os danos estavam sob controle, mesmo tendo atingido os pilares da política. Parecia que o vulcão se aquietava. Que nada. Lá veio a erupção (ou devo dizer “corruerupção”) da JBS e J&F. Foi lava prá todo lado, queimando e machucando meio mundo.

Tal o tamanho da erupção que até o presidente e o seu amigo de “extrema confiança”, mais o mineiro até então impoluto, saíram queimadíssimos. Oitenta e tantas pedradas foram arremessadas prá cabeça do Temer na forma de perguntas que a PF lhe enviou.

Mas ontem à noite, com hora marcada e televisionamento, mais uma erupção do vulcão: o julgamento da chapa Dilma-Temer. Ainda não se sabe o tamanho desta erupção, mas gostaria que fosse como os vulcões Kilawea, o Krakatoa, o Popocatépetl que lançam para fora as lavas. No nosso caso, que sejam lançados para fora as sujeiras e os corruptos, que saiam queimados para nunca mais voltar.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 24 de maio de 2017

COELET E OS 40


Há 40 anos, na última segunda-feira, dia 22, fui ordenado ao ministério pelo Presbitério Norte de São Paulo. Não celebrei a data e ninguém a celebrou. D minha parte não celebrei e tenho razões para isto.

A razão maior é que estou em período em que estou vivenciando a experiência do Coelet, o Pregador do livro bíblico do Eclesiastes. Já escrevi aqui, há algum tempo, que o Coelet é quem valida uma “espiritualidade da depressão”. Não acho que estou deprimido, mas estou, sim, frustrado, decepcionado, envergonhado, magoado, bravo e desanimado (FDEMBD).

Estou FDEMBD com a situação do meu país. Eu imaginava que a coisa estava ruim, mas não que a podridão tivesse alcançado os níveis e as autoridades que alcançou. Estou FDEMBD com os políticos do meu país, inclusive com os que ajudei eleger, porque esperei deles algo muito diferente do que estão sendo e entregando. Estou FDEMBD com o cinismo das pessoas públicas que têm a coragem de negar o batom na cueca. Estou FDEMBD com o STF que solta o Eike, o Zé Dirceu, que tem ministro que inocenta o Maluf, que rasga a Constituição no processo de impeachment. Estou FDEMBD com o Judiciário pelas idas e vindas, sentenças e liminares, que joga a coisa numa ciranda que vence quem tem o melhor advogado, o mai$ bem pago. Estou FDEMBD com a Lava Jato que anda dando sentenças ínfimas para quem cometeu crimes máximos. Estou FDEMBD com A PGR que dá impunibilidade aos irmãos Batista, no que pese terem comprado o Brasil e os deputados com suas propinas e maracutaias.

Estou FDEMBD com a “igreja brasileira” porque, salvo honrosas exceções, sucumbiram ao modelo de mercado. Ou fazem a coisa para o gosto do público e para encher templos, ou fazem as coisas numa sucessão de eventos, onde a igreja é “uma fábrica de eventos”: jantares, gincanas, acampamentos, encontros deste ou daquele grupo, etc. Estou FDEMBD com um monte de gente que se chama pastor, que nunca passou por um treinamento teológico sério, que se achou bom orador, que nunca passou por uma cerimônia bíblica de ordenação e que envergonham algo que tem sua origem na vocação divina.

Estou FDEMBD com alguns com quem gastei tempo ensinando, dei do meu tempo, investi até financeiramente e que resultaram em perda total ou em vergonha para mim e para o evangelho. Gente que treinei para ser pastor e que virou bandido. Estou FDEMBD com alguns membros de igreja que trocam a comunhão dos irmãos na reunião da igreja por qualquer coisa de somenos. Estou FDEMBD com quem me critica porque me acham radical, veemente, profético ao estilo jeremias,

No entanto, nestes 40 anos, tive meus bons momentos e recordá-los me dá ânimo para seguir adiante, mesmo porque, tenho absoluta certeza, a vocação que tenho é irresistível e, por mais que queira deixá-la (e já tentei), tal como Jeremias “como me calar se tua voz me queima aqui dentro?” Nestes 40 anos tenho gente que ensinei, pastoreei, me fiz confidente e que me dão a alegria do respeito, do carinho e da acolhida. Tenho Igrejas e famílias que me recebem de braços abertos, onde me sinto amado e percebo que não trabalhei em vão.

Plantei flores e me arranhei com os espinhos. Semeei espinhos é verdade, mas sempre na firme convicção do exercício do profético enquanto denúncia. Acho que demorei muito tempo para reconhecer a graça de Deus no meu ministério e na vida das pessoas. O fardo do ministério se tornou mais leve a partir da dimensão da graça. Se estivesse ainda pregando e ensinando a justiça retributiva, teria sucumbido.

Não tenho ânimo para celebrar os 40 anos de ordenação ao ministério, por mais significativo que isto tenha sido para a minha vida. O que, sim, faço é agradecer a Deus por me manter em pé nestes anos, apesar do tropeços e erro, da descrença costumeira nos momentos de crise, e por me ter usado quando nada em mim servia. Como diz um hino: “se Tu podes usar qualquer coisa, Deus, usa-me! Esta é a minha oração!

Marcos Inhauser

quarta-feira, 17 de maio de 2017

OS REIS TEMER E ASA

Todas as vezes que ouço notícias das reformas que o presidente Temer pretende fazer na previdência e trabalhista, não consigo deixar de pensar em um rei bíblico: o rei Asa. Sem querer descer aos detalhes da sua vida e obra, uma vez que há muitos dados para serem considerados, quero ressaltar aqui que o rei Asa foi uma pessoa que teve bons propósitos para seu reinado.
Assumiu em momento difícil para a nação. Havia muita tensão com o reino do Norte, teve que fazer alianças para sobreviver politicamente, mas, animado pela palavra profética de Azarias, promoveu reformas profundas. Tal foi seu comprometimento em fazer o que era certo, que não teve dúvidas em destituir sua mãe, a rainha-mãe Maacá de sua dignidade porque ela havia construído algo abominável em homenagem a Aserá. Também não teve escrúpulos em pegar os tesouros do templo para pagar a Ben-Hadade para que desfizesse a aliança com Israel.
No entanto, a narrativa bíblica coloca senões na sua atuação: os altos e os postes ídolos não foram retirados ou derrubados. Teve excelente ímpeto em um monte de coisas, mas deixou ou cedeu às pressões quanto aos postes ídolos e altos, onde se cultuava os deuses da fertilidade.
Ainda que as semelhanças não sejam exatas, há entre o Temer e o rei Asa algumas coisas que podem ser assinaladas. Não duvido das boas intenções do Temer. Duvido de seus auxiliares (vários deles já derrubados por problemas com a Lava Jato) e das alianças que faz para conseguir o que quer, nem que para isto tenha que saquear os tesouros do templo (tesouro nacional). Duvido também da sua constância em perseguir os objetivos que se propôs, uma vez que tem mudado de opinião cada vez que pisca os olhos.
Assim como o rei Asa, ele teve que destronar a rainha para que pudesse ter domínio completo. A Maacá do Temer foi derrubada e destituída porque, no seu entender e no entender dos seus auxiliares, havia ela construído uma abominável estátua a Aserá (aqui, no caso, à corrupção).
Tal como o rei Asa, sua disposição inicial era fazer todas as reformas necessárias, doesse a quem doesse. Veio com o ímpeto de um canhão, pronto a derrubar o edifício existente e construir coisa nova. Tal qual Asa, no decorrer das tratativas para a reforma radical, foi cedendo à Polícia Federal, aos militares, à polícia civil, à polícia legislativa. Os altos e os postes-ídolos da nação ficaram de fora da reforma da Previdência. Se no tempo do rei Asa era o culto à fertilidade que o demoveu da reforma completa a radical, com o Temer parece que é o culto à farda que o tem demovido de realizar o que havia prometido inicialmente.
Assim como Asa que teve que fazer alianças para não ver seu reinado destruído pelo reino do Norte, o Temer também vai ter que buscar alianças, mesmo que saqueando o templo, para não ser destronado pelo TSE. Se o rei Asa buscou Ben-Hadade, temo que o Temer busque a aliança com o Gilmar Mendes para salvar seu mandato.
É verdade que em ambos os casos houve tempos de paz, no que pese as muitas frentes de batalha que travaram. No que pese o momento delicado da política nacional, deve-se dizer que, dadas as circunstâncias, há relativa paz social. Mas também é verdade que ambos sonharam em parir um dinossauro, mas pariram lagartixas. Entre o prometido e o entregado, houve e há muita distância.

Marcos Inhauser

A IGREJA DO PASSADO E DO PRESENTE

Duas grandes ameaças pesavam sobre a Igreja primitiva: o poder imperial e líderes heréticos. A primeira tinha conotações políticas, porque o poder central percebeu que estava ameaçado por um grupo de fanáticos que se recusavam a dizer “César é Senhor.”
Infiltraram espiões e concluiram que os cristãos celebravam o ágape ou “festa do amor”, que se chamavam de irmãos e irmãs e que comiam do corpo e bebiam do sangue de Jesus Cristo. Do alto de sua sabedoria político-filosófica concluíram que os cristãos promoviam orgias sexuais em suas festas do amor, praticavam o incesto porque se chamavam de irmãos e irmãs nestes banquetes orgiásticos e praticavam a antropofagia, porque comiam do corpo e bebiam do sangue de Jesus.
O império alertou a todos e divulgou o perigo que esta nova seita representava para os projetos políticos do César. Cabeças rolaram, gente inocente foi crucificada, comida pelos leões, queimada, serradas ao meio.
A segunda ameaça era interna e tinha elementos político-teológicos. A igreja tinha sido fundada pelos alunos do “Seminário Teológico de Jesus, um curso teológico e prático de três anos, receberam a ordenação ministerial pela descida do Espírito Santo e houve alguém que se extraviou e traiu a causa do evangelho. Zelosos que eram da sã doutrina, procuravam transmitir as coisas com fidelidade, tal qual haviam aprendido do Mestre.
Mas, eis que surge, lá não se sabe de onde, nem como, outro apóstolo, nascido fora de tempo. Paulo era o seu nome.
Ele ensinava a graça que liberta da escravidão da lei. Os alunos do Seminário, por terem recebido aulas do próprio Mestre e por terem um background judeu, viram com restrição os ensinos deste também judeu, só que renegador das tradições da religiosidade judaico/cristã. A coisa esquentou a tal ponto que fizeram um concílio em Jerusalém para decidir se Paulo era ou não verdadeiro apóstolo. Depois de muita saliva, chegaram a um acordo salomônico: Paulo é apóstolo, prega a verdade, mas deve ensinar algumas coisas como não comer sangue, não ter relações sexuais ilícitas, etc. e tal.
Ocorre que Paulo não foi o único herege” que surgiu. Começaram a aparecer aqui e ali profetas, profetisas, apóstolos, mestres, sábios, ex-qualquer-coisa e todos se julgavam donos da verdade. A quase totalidade deles não se sabia com quem havia aprendido.
Havia os que negavam partes da Bíblia, como era o caso de Marcião que desprezava o Antigo Testamento, havia os que enfatizavam os dons, como era o caso de Apolo que criou uma tremenda confusão em Corinto, havia os profetizadores, os que se perdiam em discussões genealógicas, outros que falavam mais de demônios que de anjos, outros que fabricavam uma lista interminável de “pode” e “não pode”. Havia também os milagreiros, os mercadores da palavra, os que no dizer de Pedro, “faziam comércio dos crentes”, os que negavam a humanidade de Jesus e os que sustentavam o adocionismo. Era um supermercado de doutrinas, uma para cada gosto e para cada comichão de ouvidos.
É neste contexto que alguns dos escritores neo-testamentários escreveram suas epístolas, preocupados que estavam com o futuro da Igreja. É o caso de Judas que alertava a igreja quanto aos que “se introduziram no nosso meio, que convertem em dissolução a graça de Deus... que contaminam a carne, rejeitam as autoridades, que são como manchas em vossas festas de amor, pastores que a si mesmos se apascentam”. É o caso de I João alertando quanto aos que diziam que não mais pecavam.
É o caso de Pedro em suas duas epístolas. Pedro, um dos alunos do Seminário de Jesus, preocupado com a desaparição precoce de seus colegas de turma, quase todos eles martirizados, e também preocupado com a investida, de verdadeiras fábricas de heresia, pessoas que surgiam de não se sabe onde, que não haviam estudado com ninguém, mestres de si mesmos.

Parece que as coisas não mudaram.  Dois mil anos de eterna repetição das mesmas heresias.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

TEMPOS DE DILÚVIO

Tenho lá meus pruridos para ler certos textos bíblicos como historiográficos, como descrição de fatos reais acontecidos no passado. Quando se faz esta leitura mais literalista das narrativas, perde-se um universo de possibilidades de interpretações e lições que as estórias nos trazem. Neste meu espaço como colunista há quase 19 anos, por várias vezes já fiz esta colocação.
Quero trazer à consideração a narrativa de Noé, sua arca, o momento em que viveu e as providências que tomou. A narrativa diz que o SENHOR viu que a maldade se havia multiplicado e que era continuamente mau todo desígnio do coração humano. A pergunta que se impõe é se isto é algo que vale para o passado ou é algo que vemos e encontramos ainda hoje?
A julgar pelo que se está conhecendo pelas revelações feitas pelos delatores, pelas descobertas da PF e MPF, estamos vivendo tempos iguais aos que Noé viveu, tal o grau de promiscuidade e corrupção reinantes. A maldade tem se multiplicado, mostrando os desígnios escabrosos daqueles que se apresentaram ao público, pediram votos para defender os interesses da população. Sabe-se que o modelo eleitoral via propaganda pela TV é viciado e corruptor. Não se conseguirá mudar a representação política enquanto tal sistema existir, onde verbas milionárias abastecem campanhas dos que tem mais chances de vencer.
A esta altura vem a segunda afirmação da narrativa: Deus se arrependeu de ter feito o homem e isso lhe pesou no coração. O texto apresenta um Deus humano, com sentimento humano. Quem não se arrependeu de ter votado neste ou naquele? Quem nunca teve vontade de aniquilar os que roubam o povo e aparecem engravatados com discursos de ética e moralidade?
Isto foi o que Deus decidiu fazer: “farei desaparecer da face da terra o homem que criei, o homem e o animal, os répteis e as aves dos céus; porque me arrependo de os haver feito”. Decisão radical. Quisera eu ter o poder de determinar o extermínio da classe política e dos que se locupletam com a coisa pública. Há que notar-se que a corrupção que havia nos tempos de Noé tinha implicações e consequências sistêmicas, A maldade do coração afetava toda a criação. A corrupção de vereadores, prefeitos, deputados, governadores, senadores e presidentes afeta toda a criação. Quantos há que não tem médico, escola, merenda escolar com comida estragada, remédios vitais para a manutenção da vida não sendo comprados, museus abandonados, carne fraca e suas artimanhas para renovar prazos de validade, leite contaminado com soda cáustica, etc. Até o tamanho do Sonho de Valsa diminuiu e o preço aumentou.
Neste cipoal de desgraças, houve um que achou graça diante de Deus. Noé: homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos e que andava com Deus. Quem é o Noé nestes tempos de Brasil? Os deputados da bancada evangélica estão gastando mais tempo lendo processos e código penal que a Bíblia. O “evangélico” Eduardo Cunha agora tem tempo para ler a Bíblia, mas continua arrogante e petulante como sempre foi.
Estamos em tempos de dilúvio. Foram quarente das de chuva e estamos neste período paradigmático. O número 40 na Bíblia é símbolo de provação, e estamos neste tempo. Temos lama de todos os lados. A coisa não parece arrefecer. Mas haverá o momento em que a pomba solta voltará com um ramo no bico, avisando que há sinal de vida decente lá fora.
Até lá, esperemos, participemos, construamos nossas arcas e convidemos a ela os que são nossos, tal como fez Noé que fez entrar seus três filhos e suas esposas. A salvação se deu na dimensão familiar.

Marcos Inhauser

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O CONCEITO DE DEUS É DECISIVO


Recebi o seguinte artigo do amigo teólogo Paulo Ruckert que aqui publico com algumas edições para que caiba no espaço.
Não devemos conceituar Deus assim como definimos objetos. Precisamos ter uma compreensão correta de Deus, para podermos nos relacionar com ele. Sem isto, toda a nossa teologia estará sendo construída sobre a areia.
Explico. Quando ingressei na faculdade de teologia o modismo da época era a “teologia da morte de Deus”. Já é perturbador deparar-se com o silêncio de Deus; o salmista grita para que Deus acorde e se levante. Mas a “morte de Deus” chega a ser desoladora. Nesse caso, nem adianta gritar.
Depois entendi que esse modismo teológico partia de um conceito de Deus inventado pelos ingleses e divulgado pelo filósofo Voltaire, conhecido pelo nome de Deísmo. Sem ele como ponto de partida, a “teologia da morte de Deus” perde a sustentação e cai no vazio. Há quatro modalidades que a humanidade tem adotado para se relacionar com Deus.
No seu relacionamento com Deus, o hebreu vivenciou um paradoxo: Iahweh é imanente e transcendente: ele está dentro do mundo e também fora dele. Tudo está sujeito à vontade divina, também os acontecimentos perturbadores. 
A partir dessa compreensão de Deus que o AT nos legou e que Jesus vivenciou integralmente, podemos estabelecer uma análise das quatro principais maneiras que a humanidade tem formulado para se relacionar com o divino.
O panteísmo dissolve Deus na natureza. Todos os seres vivos, incluindo os vegetais, são considerados uma manifestação de Deus. O universo todo é divino.
O deísmo é uma religião da razão. O argumento da existência de Deus é racional. O deísmo postula que Deus deu origem ao mundo e estabeleceu as leis da natureza.
O teísmo pressupõe Deus fora do universo. Deus é considerado uma pessoa celeste e perfeita, que passou a se situar fora e distante da humanidade. Ele se encontra acima do mundo e da humanidade. Deus está isolado desta realidade.
O panenteísmo declara que Deus está no mundo e o mundo está em Deus. Formado por três vocábulos gregos: pan (tudo), en (em) e teísmo (Deus) = Deus e o mundo estão inter-relacionados. Há equilíbrio entre imanência e transcendência de Deus. Deus é imanente como Criador, mas é transcendente em sua liberdade. Deus é infinito e não pode ser confundido com os seres finitos. Deus está presente em toda a realidade. Sendo Deus infinito, nada existe “fora” dEle. Deus não se esgota na realidade presente. Criou o mundo e continua criando ainda hoje.
O panenteísmo constata que Deus age e reage. Quando o povo se corrompeu fabricando o bezerro de ouro, Deus decidiu eliminar os idólatras e começar uma grande nação a partir de Moisés. No entanto, o líder do povo intercedeu, colocando-se “na brecha” (Sl 106,23) e bloqueando a execução do juízo. Diante da intercessão, “se arrependeu o Senhor do mal que dissera havia de fazer ao povo” (Ex 32,14). Deus age e reage. O Deus vivo e dinâmico não está somente “lá fora”, observando os acontecimentos. Ele atua dentro do processo da realidade e interage com o que acontece, podendo até voltar atrás e reconsiderar o curso dos acontecimentos. Deus atua na realidade e os acontecimentos provocam uma reação em Deus.
Se Deus não reagisse aos acontecimentos, redirecionando o seu desígnio, então todas as nossas orações seriam um falar no vazio. Mas, nós podemos contar um Deus vivo, dinâmico e atuante. Assim como o salmista, nós podemos contar com a intervenção divina na realidade, mudando a sorte do seu povo. Podemos esperar e confiar no agir de Deus.
Paulo Ruckert


PS - O texto completo pode ser solicitado por e-mail para marcos@inhauser.com.br